quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Eugenia




O termo “Eugenia” foi criado por Francis Galton em 1883 e o definiu como o estudo dos agentes sob controle social que podem melhorar ou empobrecer as qualidades raciais das futuras gerações seja física ou mentalmente. Será que a eugenia é realmente útil para a humanidade? Quais os benefícios? E os objetivos dela propostos por Galton?

Galton era parente de Charles Darwin (1809-1882). Erasmus Darwin era avô de ambos, porém com esposas diferentes, Darwin descendeu da primeira por parte de pai, e Galton da segunda, por parte da mãe. Darwin publicou seu livro “A Origem das Espécies” em 1858. No livro de Galton ele propunha que “as forças cegas da seleção natural, como agente propulsor do progresso, devem ser substituídas por uma seleção consciente e os homens devem usar todos os conhecimentos adquiridos pelo estudo e o processo da evolução nos tempos passados, a fim de promover o progresso físico e moral no futuro”.
O Movimento Eugênico: em 1859 Darwin propôs que a seleção natural fosse o processo de sobrevivência a governar a maioria dos seres vivos, importante s pensadores passaram a filtrar suas ideias para um novo conceito, “Darwinismo Social”. Muitos pesquisadores declararam que existe um problema ético na eugenia, um exemplo é o abuso da descriminação, pois ela resultou em uma categorização de quem é apto, a quem não é apto para a reprodução.
Em 1908 foi fundada a “Eugenics Society”, em Londres, primeira organização a defender as ideias de forma organizada e ostensiva. Um de seus  lideres era Leonard Darwin (1850-1943), oitavo de dez filhos de Charles Darwin.
Em São Paulo em 1918 foi criado a primeira Sociedade da Eugenia, no primeiro Congresso de Eugenismo, realizado no Rio de Janeiro, no ano de 1929, foi abordado o seguinte tema “O Problema Eugênico da Migração”.
No Boletim do Eugenismo, foi proposto exclusão das imigrações de pessoas não-brancas. No ano de 1931 foi criada a Comissão Central de Eugenismo com os seguintes objetivos:
·                    Manter o interesse dos estudos relacionados á questões eugênicas;
·                    Disseminar o ideal de regeneração física, psíquica e moral do homem;
·                    Prestigiar e ajudar as iniciativas cientificas ou humanitárias relacionadas á eugenia.
Avanços científicos  vem sendo direcionados á identificação de “indesejáveis”, como a utilização de exames que detectam doenças genéticas por companhias de seguro e planos de saúde e os uso de bancos de DNA no controle de imigração. Á medida que diminui o numero de filhos por casal, pressiona-se para que sejam cada vez mais perfeitos.
Técnicas de diagnostico pré-natal permitem detectar bebes com problemas genéticos, e embora a decisão sobre aborto terapêutico seja pessoal, difunde-se o conceito de que é cruel não levar em conta a qualidade de vida e que interrompê-la pode ser um ato de amor.
 Os pais também são levados a priorizar a qualidade de suas próprias vidas, Como saber, porém, o que faz com que a vida não mereça ser vivida ou não mereça ser cuidada?
A eugenia é uma boa opção pois, a maioria das pessoas que irão nascer serão imunes a várias doenças, bom físico no futuro, capacidade e resistência melhoradas. Ela deve ser uma escolha do casal, se ele optar tudo bem, se caso contrário num futuro acredito que o filho seria taxado de "estranho" e poderá sofrer discriminações. 

Fontes:






Trabalho de Filosofia dos alunos Gabriel Vinhola da Silva dos Santos e Jonatan Matheus de Paula Lemos

Nenhum comentário:

Postar um comentário